Como começar a estudar para o CACD

mapa e caderno para o CACD

Há muitos cursinhos e professores para o CACD!

Antigamente as coisas eram mais simples. Havia apenas um curso preparatório de qualidade, o Curso Clio.

O mercado evoluiu, a concorrência entre cursinhos cresceu e os melhores professores dividiram-se entres cursos preparatórios espalhados pelo Brasil inteiro.

Para aqueles que estão começando a jornada de estudos agora, e mesmo para aqueles que não tiveram a oportunidade de assistir às aulas de diferentes professores de diferentes disciplinas, sempre ficam as dúvidas:

Interrogação, mundo e o cacd

Em quais professores devo investir meu dinheiro?

Quais livros devo comprar?

Devo estudar para todas as fases do concurso ao mesmo tempo?

Como me preparar da melhor maneira possível?

Hoje eu vou discutir alguns desses aspectos e fazer uma comparação objetiva acerca da realidade da preparação de alguém que realmente deseja tornar-se diplomata.

Em primeiro lugar, é essencial que você compreenda que o planejamento displicente dos estudos não causa apenas problemas financeiros, mas afeta sua vida em diversos aspectos.

Para aqueles que já estudaram Economia e estão familiarizados com o conceito de “custo de oportunidade”, esse é justamente o principal desafio apresentado aos candidatos ao Concurso de Admissão à Carreira Diplomática (CACD).

O que é custo de oportunidade?

De maneira simplificada, é aquilo que se deixa de ganhar quando optamos por realizar uma ação no lugar de outra.

Por exemplo, imagine que você decida estudar para o CACD em vez de trabalhar em horário integral. Além de arcar com o custo das aulas, você ainda deixa de ganhar o salário que receberia caso estivesse trabalhando. Ou seja, o custo do estudo para o CACD é altíssimo. Isso é algo a ser considerado seriamente.


Quer passar no CACD bem rápido?

Todos desejam passar na prova de primeira, talvez investir dois anos, no máximo três. Mas a realidade é que a carreira diplomática pode se tornar um objetivo de longo prazo.

Não é raro encontrar candidatos brilhantes que já estão nessa batalha há 4, 5 anos. Portanto, é importante que, antes de decidir investir seu dinheiro e tempo, você tenha certeza de que ser diplomata é realmente seu maior objetivo.

É preciso entender que as escolhas tomadas agora no início irão definir se você será aprovado em 3 anos ou em 10.

Gosto de dar exemplos para deixar as coisas bem claras. Imagine este cenário comigo:

Você encontra um livro conceituado, daqueles que cobrem boa parte da História do Brasil. Todos falam muito bem do livro, a obra pode até mesmo ser premiada.

Você acabou de começar a estudar para o CACD e decide comprar tal livro, afinal… por que não o compraria?

Esse tipo de comportamento é precisamente o motivo de as pessoas demorarem tanto tempo para serem aprovadas.

No começo, quando estamos cheios de energia, queremos consumir todas as informações que nos são apresentadas e não nos preocupamos com o mais importante, não respondemos às seguintes perguntas:

pilha de livros para o cacd

  • Esse material está de acordo com o que a banca pensa?
  • Eu preciso ler todos os capítulos desse livro?
  • Essas informações são pertinentes ao CACD?
  • Eu sei que esse livro é bom, mas existe algum outro melhor?

Eu não conseguiria enfatizar isso o suficiente! Ter um bom material não resolve o seu problema!

Você precisa estudar com o melhor material.

O seu dinheiro é escasso, o seu tempo é mais escasso ainda e há, literalmente, milhares de pessoas querendo a mesma vaga que você. Não gaste sequer um minuto se dedicando a absorver informações que não irão te conduzir ao seu objetivo final: a aprovação no CACD acompanhada de uma longa e próspera carreira como diplomata.


A vaidade é sua inimiga

Muitos dos candidatos ao CACD são vaidosos. Eles não percebem, mas esse é um defeito que acaba custando a aprovação da maioria.

Já vi gente lendo sobre a Unificação da Alemanha em livros escritos por historiadores alemães e, mais grave ainda, em livros escritos em alemão!

O estudante quer mostrar para os outros que:

  • Faz leituras avançadas;
  • Sabe falar alemão.

Qual é o custo desse tipo de comportamento?

Essa pessoa vai investir dias valiosos lendo um livro que está escrito em um idioma que não será avaliado no CACD e, ainda pior, vai consumir uma quantia enorme de informações que nem mesmo serão cobradas na prova. Sem mencionar que, mesmo que uma parte minúscula do conteúdo daquele livro seja relevante para o CACD, ninguém garante que o posicionamento do autor alemão é o mesmo da banca.

Portanto, jamais leia livros que não são recomendados para a sua prova! É um desperdício imperdoável de tempo.


Já estabelecemos que a melhor estratégia é ler os livros indicados para o CACD.

Como é que você, candidato, vai saber quais livros deve ler?

Para sua sorte, comecei a escrever artigos que versam justamente sobre isso, veja os links abaixo:

Agora que você já sabe o que deve ler, vamos conversar sobre quais cursos preparatórios valem a pena.


Cursos Preparatórios para o CACD:

É compreensível que o candidato iniciante tenha dificuldades em determinar qual curso preparatório oferece o melhor custo benefício. Eu passei por isso e cometi todos os erros possíveis. Você pode se beneficiar dos meus erros e evitá-los inteiramente.

Eu sei que os cursos são caros. Todos eles são caros. Entretanto, com o passar do tempo, eu compreendi que os preços devem ser a última das suas preocupações.

dinheiro

Você me pergunta:

Como assim? É claro que eu tenho de me preocupar com o preço!

Bom, o fato é que aulas ministradas por professores despreparados não só deixam lacunas no seu aprendizado, mas constituem bases frágeis que podem demorar anos para serem corrigidas.

De maneira resumida, eu quero que você entenda que, se você escolher um professor ruim hoje, amanhã você terá que contratar o outro professor mais caro para corrigir tudo aquilo que aprendeu errado.

Não estou afirmando que professores mais caros são necessariamente melhores. O meu argumento é o seguinte: não tome suas decisões baseadas no preço. Simplesmente contrate o professor mais competente. Isso vai economizar anos da sua vida.


A diferença de um professor do CACD para o outro é monumental.

Os cursos preparatórios são empresas. É natural que cada um deles fale de seus professores como se eles formassem o grupo de elite do CACD.

Já vi, inúmeras vezes, cursos cobrarem preços exorbitantes e oferecerem aulas com professores medíocres, que não sabem absolutamente nada sobre o CACD. Isso acontece o tempo inteiro. Quando algum professor altamente competente decide sair de determinado curso preparatório, ele é imediatamente substituído pelo primeiro que aparece. Fique atento! Não se deixe enganar.

Não seja influenciado por descontos, por cursos vendidos em pacotes. Normalmente é nesses casos que os candidatos são mais enganados.

A estratégia de alguns cursos preparatórios é a seguinte:

  • Fazer propaganda com a foto e o nome de um professor extremamente competente;
  • Oferecer um pacote com aulas desse professor e de outros professores desconhecidos.

E é claro que os professores desconhecidos, normalmente, estão aquém daquilo que o candidato necessita, mas o curso preparatório já vendeu o pacote e quem vai ter que assistir às aulas com professores ruins é você.

Os melhores professores do CACD estão espalhados por diferentes cursos. Professores devem ser escolhidos individualmente, não importa onde estejam trabalhando.


Uma breve avaliação sobre os 3 principais cursos preparatórios:

 

Curso IDEG:

Na minha opinião, em termos gerais, esse é o curso preparatório mais razoável.

A equipe é extremamente eficiente, são flexíveis, oferecem a primeira aula de todos os cursos gratuitamente. Nunca tive qualquer dificuldade com eles. Sempre antederam minhas demandas de maneira exemplar.

A plataforma de ensino do IDEG é excelente e parece que há, por parte do curso, um real desejo que seus alunos sejam aprovados no CACD.

 

Curso Sapientia:

É um dos cursos mais populares, mas a rotatividade de professores é grande. Embora tenham atraído ótimos docentes, parecem não conseguir retê-los por muito tempo.

Há uma limitação em relação à quantidade de vezes que o candidato pode assistir a cada vídeo comprado. Essa é uma característica bastante negativa uma vez que, caso você tenha algum problema com seu navegador e seja forçado a abrir determinado vídeo algumas vezes, seu acesso a esse vídeo será negado permanentemente.

Apesar desses detalhes, contratei o Curso Sapientia algumas vezes e, holisticamente falando, não me arrependi.

Caso o professor que você escolheu esteja ministrando aulas nesse curso preparatório, questões relacionadas à plataforma devem ser interpretadas como detalhes secundários. O que importa mesmo é o conteúdo.

 

Curso Clio (Damásio):

Foi onde tudo começou. Esse curso detinha virtualmente todo o mercado e oferecia uma qualidade ímpar. Não havia outra instituição no Brasil capaz de competir com o serviço ali provido.

Embora tenha sido relativamente ofuscado por outros cursinhos, ele ainda detém docentes extremamente talentosos, como o famoso professor de História, João Daniel (autor do Manual do Candidato de História do Brasil, oferecido pela Fundação Alexandre de Gusmão – FUNAG-).

 

Conclusão:

Não importa qual curso você vai escolher, o importante é quem vai ser seu professor. Ainda não conheci um aprovado sequer que tenha estudado em apenas um curso preparatório. Você deverá fazer o mesmo. Vá aonde o conhecimento estiver.


Quais são os melhores professores do CACD?

Esse é o tópico mais importante deste artigo. Preste muita atenção porque em nenhum outro momento da sua vida a escolha dos seus professores terá um efeito tão significativo quanto agora. Uma escolha ruim implica dinheiro jogado fora e tempo desperdiçado.

História do Brasil

Luigi Bonafé:

Caso haja alguma indicação incontornável para a sua preparação, certamente é o professor Luigi.

Assim como os principais professores de História do Brasil que atuam no mercado do CACD atualmente, ele domina o conteúdo. Até aqui, nada demais.

A diferença é que esse professor tem uma série de características dificílimas de se encontrar no mesmo indivíduo:

 

  • Ele conhece os itens da primeira fase melhor que qualquer outra pessoa.

Durante a aula, o professor não explica somente o motivo de determinado item estar certo ou errado, ele destrincha cada frase e descreve as intenções do avaliador, dessa maneira você aprende a pensar como a banca e a resolver as questões com muito mais facilidade e confiança.

As afirmações que o professor faz em relação aos itens e às intenções da banca não se tratam de opiniões. São fatos. E isso ele consegue demonstrar ao colocar lado a lado questões recentes e outras de anos anteriores. O professor prova para o aluno que a banca, na maioria esmagadora das vezes, mantém a consistência de seus argumentos.

Antes de estudar com o Luigi eu tinha uma impressão muito forte de que os itens de História do Brasil eram cobertos por um manto de subjetividade. Esse não é o caso. As afirmações contidas na prova são notavelmente objetivas.

 

  • Ele é didático.

Todos sabem que a matéria de História do Brasil é gigantesca. Se você não tiver um caderno muito bem organizado, é impossível fazer uma revisão de qualidade antes da prova. As informações estão espalhadas por milhares de páginas distribuídas em mais de uma dezena de livros.

As anotações das aulas do professor Luigi são mais que importantes, são decisivas.

E não pense que estou falando dessas anotações usuais que ocupam 5 folhas do caderno por aula. Cada aula do professor Luigi Bonafé exige entre 15 a 20 páginas.

 

  • Ele não tem pressa.

As aulas podem chegar a 3 horas de duração. É muito importante que você reserve bastante tempo para processar toda essa informação.

Imagine uma aula sobre o Segundo Reinado que dure duas horas e meia.

Imaginou?

São duas horas e meia de conteúdo falado! Lembre-se de que você precisa fazer anotações. Muitas anotações. Isso demanda ainda mais tempo. Como gosto de manter meus cadernos extremamente organizados, dedico por volta de 5 horas para cada aula do professor.

 

  • Ele quer que você passe no CACD.

Tem dúvida sobre a matéria? Mande um e-mail, ele responde.

Continua com dúvida? Sem problemas, ele te passa o número do celular dele.

Está sem crédito no celular? Dependendo da situação, ele te liga.

 

  • Ele vai te ensinar a matéria, custe o que custar.

O Luigi é o único professor que conheço disposto a sacrificar seu próprio tempo para ministrar aulas adicionais caso o conteúdo não seja exaurido no tempo planejado.

A matéria será estudada até o final. Se o tempo alocado for insuficiente, mais aulas serão marcadas. Eu não me refiro a 20 ou 30 minutos a mais de aula, me refiro a aulas inteiras. 3, 6, 8 horas a mais de aulas caso seja necessário.

Você pode entrar em contado com o professor Luigi Bonafé pelo site dele: Luigi Bonafé ou pelo site do Curso IDEG.

 

Rodrigo Goyena:

Extremamente competente, desenvolve aulas agradabilíssimas. Para aqueles que já têm um caderno pronto, as aulas do professor Goyena constituem a revisão perfeita.

Ele é um verdadeiro contador de histórias. Enquanto as aulas do professor Luigi Bonafé exigem concentração absoluta e causam até certo cansaço devido à sua extensão, com o professor Goyena o tempo passa rápido. Ele tem o talento de transmitir conhecimento sem que seus alunos precisem se esforçar para reter o conteúdo.

Recomendo-o fortemente. Em um universo de estudos no qual o estresse domina todas as horas do dia, as aulas de Rodrigo Goyena são aquele descanso produtivo que todo candidato ao CACD merece.

Você pode encontrá-lo no site do Curso Sapientia.

 

João Daniel:

Por muitos anos foi o principal professor de História para o CACD. Seu conhecimento acerca do certame é indiscutível.

Esse professor é mais austero e erudito que os demais. Embora o curso no qual trabalha tenha perdido um pouco de espaço em relação ao virtual monopólio de outrora, João Daniel continua ministrando aulas para o CACD e continua competente no que faz.

Para aqueles que gostariam de conhecer um pouco mais do trabalho do professor, é importante mencionar que ele é o autor do Manual do Candidato de História do Brasil, um livro gratuito e pronto para download.


História Mundial

Luigi Bonafé:

Tudo o que mencionei acerca das habilidades do professor Luigi pode ser repetido para a disciplina de História Mundial. Recomendo o trabalho desse professor sem ressalvas.

Aqui vai o link do site dele mais uma vez: Luigi Bonafé

 

Filipe Figueiredo:

Brilhante professor de História Mundial. As aulas do Filipe são dinâmicas e repletas de curiosidades sobre história. Além de expor a matéria nos moldes que estamos acostumados, ele consegue transformar o estudo em um momento divertido e empolgante.

Você realmente termina cada aula com a certeza de que aprendeu coisas novas. Além disso, devido aos comentários cômicos do professor, você vai lembrar da matéria sem fazer esforço.

As indicações de filmes e seriados, minuciosamente escolhidos pelo professor, ajudam o candidato a descansar durante os finais de semana, mas ainda assim continuar aprendendo.

Até hoje me lembro de um comentário jocoso que o professor fez na aula acerca do “Programa Bracero”, estabelecido entre México e Estados Unidos. Na hora da aula achei engraçado, mas não imaginava que, alguns meses depois, o CACD me perguntaria, com outras palavras: “ E aí? Já ouviu falar de um tal Programa Bracero ?”. Tenho certeza que os alunos do professor Filipe foram os únicos a acertar esse item.

Você pode encontrar as aulas do Filipe no Curso Sapientia ou pode seguir seus informativos podcasts no Xadrez Verbal.


Política Internacional

Thomaz Napoleão:

Diplomata de carreira. É um dos raríssimos casos daqueles que conseguiram ser aprovados logo na primeira tentativa no CACD. Como se não bastasse ter passado de primeira, Napoleão conseguiu ser o primeiro colocado no certame.

O professor respira diplomacia. Nenhum outro domina o assunto de Política Internacional ou tem a firmeza na exposição de ideias como ele.

Durante meus estudos, observei vários outros professores cometerem erros nas aulas.  A disciplina de Política Internacional é ainda mais sensível que as demais devido à sua natureza mutável. As alianças são maleáveis e os territórios, reconfiguráveis. É notavelmente difícil manter-se informado sobre tudo o que acontece na Política Internacional em tempo integral. O professor Thomaz Napoleão consegue.

Nunca vi o professor cometer erros ou mesmo deslizes durante as aulas. Aliás, nas pouquíssimas vezes que acreditei ter descoberto alguma incongruência naquilo que ele dizia, revisitei minhas fontes e percebi que o erro era meu.

O professor de Política Internacional, Thomas Napoleão, pode ser encontrado no Curso IDEG.


A disciplina de Política Internacional tem uma peculiaridade, ela exige que o candidato acompanhe o noticiário com a maior atenção possível.

Caso você queira ler todas as notícias do dia, organizadas em tópicos ou até mesmo resumidas, registre-se na Plataforma de Estudos de Atualidades aqui do site mesmo. Isso vai te ajudar a economizar, no mínimo, uma hora de estudo por dia.


Direito Interno:

Eu jamais pagaria o preço cobrado pelos cursos preparatórios específicos para o CACD.

Você poderia me perguntar:

Ora, se já pagamos por todas as outras matérias, por que não pagar por Direito Interno também?

A resposta é simples: os candidatos só pagam os preços exorbitantes do mercado porque há menos profissionais dedicados ao CACD que aos demais concursos. Entretanto, como Direito Interno é uma disciplina cobrada em virtualmente todos os certames, há uma enorme oferta de materiais de altíssima qualidade.

As provas de Direito do CACD seguem o padrão Cespe e têm precisamente o mesmo nível de dificuldade de qualquer outra prova para concurso de nível superior. Contratar um professor especializado em Direito Interno para o CACD não vai te trazer vantagem alguma.

Economize seu dinheiro e utilize-o em outras matérias.

Não estou dizendo que você deva estudar Direito Interno para o CACD sem nenhum tipo de auxílio, mas posso garantir que uma simples apostila do Estratégia Concursos, desde que esteja atualizada, será mais que suficiente para que você acerte todos os itens da sua prova.

Atenção! Não recomendo que você procure, necessariamente, uma apostila do Estratégia Concursos dedicada ao CACD. Qualquer apostila de Direito que aborde os mesmos temas do edital e que seja direcionada a provas do Cespe será suficiente para seu estudo.

Caso eles estejam oferecendo uma apostila específica, melhor ainda.

Como o Estratégia Concursos sempre renova seus materiais, não vou colocar nenhum link direto aqui. Vou apenas recomendar que você visite o site do Estratégia Concursos e que utilize a barra de busca deles para encontrar seu curso.


Direito Internacional:

Laura Delamonica:

Embora a diferença na qualidade das aulas dos atuais professores de Direito Internacional não seja particularmente grande, acredito que os detalhes fazem a diferença. Principalmente se você, assim como eu, não tiver um conhecimento muito apurado sobre Direito Internacional.

Laura Delamonica é diplomata e chegou até mesmo a ministrar aulas no Instituto Rio Branco, instituição na qual você estudará depois de sua aprovação no CACD.

Uma das características da professora é sua habilidade de explicar temas tediosos de maneira cativante. Ela utiliza uma série de exemplos para validar seus argumentos e compreende muito bem as estratégias empregadas pela banca ao formular as questões do Concurso de Admissão à Carreira Diplomática (CACD).

Algo bastante perceptível nas apostilas e livros sobre Direito Internacional espalhados por aí é a falta de coesão entre os diversos autores. É perfeitamente possível que você leia 3 livros e obtenha uma resposta diferente em cada um deles. Aqui eu vejo a maior das vantagens de se estudar com a professora Laura. O material disponibilizado por ela é sólido, confiável e está perfeitamente alinhado ao CACD.

Devido à clareza da professora e à qualidade de seus materiais, recomendo a todos que estudem com ela.

Laura Delamonica pode ser encontrada no Vocação Diplomata.

 

Guilherme Bystronski:

Ótimo professor. Metódico. Vai direto ao ponto.

Ele é bastante técnico e tem um estilo tradicional de ensinar. Já ouvi alguns candidatos afirmando que tiveram melhora substancial de suas notas depois do curso com ele. Uma colega até me disse que acertou todos os itens da prova ao seguir seus conselhos.

Esse foi meu primeiro professor de Direito Internacional e, como eu não sabia nada sobre a disciplina, talvez não tenha aproveitado todo o conhecimento que ele tinha a oferecer. De qualquer modo, recomendo suas aulas sem pensar duas vezes.

Guilherme Bystronski pode ser encontrado no Curso Clio (Damásio Educacional).


Economia:

Esse é o calcanhar de Aquiles da maioria dos candidatos ao CACD.

Apesar de o Instituto Rio Branco ser o berço de diplomatas com as mais diversas formações, o mais comum é que a carreira atraia aqueles interessados em áreas do conhecimento menos relacionadas à matemática.

A verdade é que a prova de Economia do CACD raramente envolve mais que as quatro operações básicas da matemática. Contanto que você tenha conhecimento rudimentar acerca de como interpretar gráficos simples, não há o que temer.

Os conceitos de Economia podem ser estudados e compreendidos assim como qualquer outro texto das demais disciplinas.

Para a banca do CACD, o que importa é que o candidato saiba responder questões sobre teorias da economia e sobre História da Economia do Brasil. Não é nada complicado.

Dito isso, é fundamental que se faça exercícios à exaustão uma vez que as nuances nos itens enganam facilmente os candidatos mal preparados.

 

Daniel Sousa:

Certamente o professor mais indicado para aqueles que buscam um curso regular extensivo de Economia.

Daniel Sousa é perceptivelmente apaixonado pela disciplina além de ser um profissional renomado nacionalmente. Se você assiste à Globo News, é bem provável que já tenha ouvido seus comentários no programa Estudio I, apresentado por Maria Beltrão.

O forte desse professor é a habilidade de transformar um conteúdo por vezes excessivamente abstrato em algo mais tangível. Até hoje não encontrei outro professor que me fizesse querer estudar economia mesmo durante os finais de semana.

Daniel Sousa pode ser encontrado no Curso Clio (Damásio Educacional).

 

Eliezer Lopes:

Caso você já saiba um pouco sobre Economia para o CACD e esteja procurando alguém capaz de elevar sua nota no certame, especialmente na primeira fase, esse é o professor mais indicado.

O curso de Exercícios de Economia para o CACD do professor Eliezer é o melhor do mercado. Essa é uma opinião praticamente unânime.

Sempre tive dificuldades em Economia e posso afirmar categoricamente que, sem esse curso de exercícios, jamais teria qualquer chance de atingir uma pontuação razoável na prova.

Se você estiver enfrentando dificuldades em levar sua nota para o próximo patamar na Primeira Fase do concurso, não pense duas vezes, contrate o professor.

Eliezer Lopes pode ser encontrado aqui: Economia CACD.


Geografia:

Thiago Rocha:

Professor com ampla experiência nas provas de Geografia do CACD.

Devido ao estilo mais informal do Thiago, eu tinha a impressão de que as aulas dele eram insuficientes. Sentia que estava aprendendo mais curiosidades acerca da Geografia do Brasil que a matéria propriamente dita. Eu estava errado. O professor simplesmente tem a capacidade de transmitir o conhecimento de maneira que o aluno nem mesmo percebe que está assistindo a uma aula. Isso se chama vocação.

Em adição ao fato de que esse professor conhece a prova de Geografia para o CACD mais profundamente que qualquer outro dessa disciplina, o material disponibilizado por ele é atualizado em uma velocidade impressionante.

Quando você assistir a uma aula do Thiago, pode ter certeza de que está recebendo os dados mais recentes e, melhor ainda, no mesmo formato que a banca do CACD exige de você.

O curso regular extensivo desse professor é excelente, mas o curso de exercícios é ainda melhor, diria até que é obrigatório para quem deseja ser aprovado.

Thiago Rocha pode ser encontrado no Curso IDEG.


Língua Portuguesa:

Prepare-se porque essa disciplina é dividida em 3 áreas que considero completamente diferentes uma da outra. Vou indicar o melhor professor de cada uma delas, senão essa lista seria enorme, o que seria improdutivo.

Gramática (Primeira fase do concurso):

Luis Ladeira:

A prova de Língua Portuguesa do CACD é notavelmente a mais difícil do Brasil. Nenhum outro concurso exige tanto do candidato. Não basta saber gramática, é necessário conhecer a “doutrina” do Cespe, é preciso ter a capacidade interpretar textos antigos, truncados e por vezes absurdamente longos. Isso só se alcança com muita prática.

Embora haja uma miríade de apostilas de Língua Portuguesa na internet, você precisa de alguém que seja capaz de te mostrar as armadilhas espalhadas pela banca em cada vírgula de cada item da prova.

A principal característica de ensino do Ladeira são aulas recheadas de exercícios extraídos diretamente de provas anteriores do CACD. Os itens são avaliados minuciosamente e o aluno ganha perspectiva acerca da maneira de pensar da banca. Uma vez que o candidato consegue enxergar padrões, as questões tornam-se exponencialmente mais fáceis.

 

Interpretação de Textos e Literatura:

Ivo Yonamine:

Assisti a, literalmente, todas as aulas desse professor em 3 dias. Acredito que 70% ou mais daquilo que sei sobre Literatura para o CACD aprendi com ele. Depois dessa maratona de aulas, sinto como se tivesse retirado uma venda dos meus olhos em relação à leitura daqueles textos mais clássicos que tanto caracterizam a prova.

O professor aborda os temas da literatura nacional eficientemente. Suas recomendações bibliográficas também são bastante úteis.

Se você acha literatura um assunto chato e desgastante, Ivo Yonamine filtra as informações cruciais e torna a sua vida de estudante muito mais fácil.

Ele pode ser encontrado no Curso Sapientia.

 

Redação (Segunda fase do concurso):

Max Braga e Adriana Campiti:

A prova de redação do CACD é a mais difícil de todo o concurso. Não importa se você domina o idioma escrito, se é reconhecido por sua habilidade com as palavras ou se tem doutorado em Língua Portuguesa, o formato dos textos produzidos para o CACD é diferente de tudo que você já viu.

Há uma série de regras específicas ao CACD que somente os professores serão capazes de explicar.  Não se deve usar conotação nos textos, há várias palavras que devem ser evitadas, a banca não aceita aliterações, eco… a lista é enorme. Para alcançar sua aprovação, você certamente precisará da ajuda desses dois professores.

Aqui não há qualquer tipo de competição. O Max e a Adriana são os líderes do mercado e o segundo lugar está bastante distante.

Minha recomendação é a seguinte: comece a se preparar para a Segunda Fase (dissertações em língua portuguesa) hoje! O aprendizado é lento e exige muitíssimas horas de prática. Caso você deixe para estudar a matéria somente depois de passar pela Primeira Fase do concurso, não haverá tempo o suficiente para aprender tudo e você não logrará êxito.

Já aviso que esses dois professores são extremamente exigentes, principalmente o Max. Se você acha que tirar zero em uma prova é desagradável, espere tirar -4 e me diga como se sente.

No fim das contas, os professores te preparam para a realidade da prova: exercícios difíceis e corretores que têm a mão pesada na hora da nota.

Você pode encontrar o Max e a Adriana aqui: Campiti Braga.


Língua Inglesa:

Sara Walker:

Outra matéria que separa os candidatos fortes dos demais.

Aqueles que sabem inglês têm uma vantagem monumental no CACD. É justamente nessa matéria que é possível observar a maior discrepância entre os candidatos.

Antigamente, quando havia menos concorrência, era perfeitamente factível tornar-se diplomada mesmo com um inglês vacilante. Hoje isso mudou. Saber inglês é uma das principais obrigações do candidato e, assim como acontece nas redações em português, não basta conhecer bem o idioma, é preciso saber escrever textos complexos com muita rapidez. Isso só pode ser alcançado com bastante prática.

Se selecionarmos os últimos anos como referência, não ouvi falar de um candidato sequer que tenha sido aprovado sem ter estudado no curso da professora Walker.

Você pode encontrar a professora Sara aqui: Sara Walker.


Língua Francesa e Língua Espanhola:

Ainda não encontrei professores que pudesse recomendar. Tenho observado que a maioria dos aprovados costuma estudar em cursos intensivos disponibilizados por escolas como a Aliança Francesa e o Instituto Cervantes. Mais tarde, quando a Terceira Fase do concurso se aproxima, fazem aulas especificamente de exercícios no IDEG ou no Curso Sapientia.

Acredito que essas duas disciplinas são as mais negligenciadas no concurso. Não cometa o erro de deixar para estudá-las depois. Não se aprende um idioma da noite para o dia.

 

Conclusão:

Comprar os livros corretos, ler apenas aquilo que é obrigatório e contratar professores verdadeiramente capazes de te conduzir eficientemente ao Itamaraty é a estratégia mais inteligente a se adotar.

Caso você consiga evitar as armadilhas que aparecerão em seu percurso, principalmente em relação às leituras improdutivas, seu caminho até a diplomacia será marcadamente mais curto.

Siga as dicas acima, registre-se na Plataforma de Estudo de Atualidades e comece a estudar o quanto antes, o CACD vai exigir sua dedicação total.

Se você tiver alguma pergunta ou sugestão, deixe um comentário aqui embaixo.

Bons estudos!

35 respostas
  1. Wylla
    Wylla says:

    Bom dia!
    Você indicaria todos os manuais da FUNAG no início da preparação para o CACD ou só alguns, como o de História do Brasil, por exemplo?

    Desde já agradeço.

    Obs: sensacional essa matéria do Blog =)

    Responder
    • admin
      admin says:

      Olá!

      Olha só, os manuais melhoraram substancialmente em 2012. Antes disso, eles eram bem pouco confiáveis.

      Não há problema nenhum em estudar com o material que foi publicado depois dessa data. Você vai perceber que
      alguns dos manuais são de 2012, outros de 2016. Se você tiver tempo sobrando, vai fundo!

      O que você precisa se perguntar é o seguinte: “Esses manuais são o melhor material possível de estudo?“.
      Eu acredito que não. Digo isso por três motivos:

      1) O conteúdo é insuficiente;

      2) Em algumas matérias, como Geografia e Política Internacional, as informações que mais caem nas provas estão desatualizadas. Nesses dois casos você precisa estudar atualidades e os manuais não cobrem isso.

      3) A formatação deixa muito a desejar. Continuar as leituras de um material assim vai ser um desafio muito maior
      do que simplesmente utilizar os livros recomendados, pois eles têm tabelas, ilustrações e cores diferentes. Isso pode parecer uma bobagem, mas ajuda muito no aprendizado.

      Se eu fosse você, faria o seguinte:

      Estudaria pelos livros recomendados aqui no site e utilizaria os manuais como material suplementar.
      Na realidade, essa é a verdadeira função desses manuais, apenas auxiliar os candidatos.
      Faça isso e você conseguirá cobrir todo o conteúdo das provas.

      Se tiver mais perguntas, pode mandá-las =)

      Bons estudos!

      Responder
  2. Jorge
    Jorge says:

    Olá!
    Boa tarde, e meus parabéns pelo post.
    Estava com dificuldades em afunilar as melhores indicações de cursos, professores, bibliografia… Obrigado!

    Sobre mim:
    Eu trabalho, não tenho como dedicar meu tempo integralmente aos estudos; vou começar do zero; e tenho 2 mil reais mensais (24k/ano) disponíveis para dispensar à minha preparação.
    Neste cenário, não tenho tempo/dinheiro para estudar todas as matérias de uma só vez, e tenho ciência que minha aprovação é um projeto de médio/longo prazo.

    Assim, em sua opinião, por quais matérias eu deveria começar minha preparação? E as seguintes?
    Enfim, qual critério adotar para definir a sequência de matérias a serem estudadas dado as minhas condições?

    Desde já agradeço a atenção.

    Responder
    • admin
      admin says:

      Olá, Jorge!

      Não se preocupe com o fato de não poder estudar todas as matérias de uma vez. Na verdade, é bem melhor que você não
      estude muitas disciplinas ao mesmo tempo. O ideal, principalmente no começo, é estudar de 3 a 4 matérias.

      Essas aqui são as mais importantes nesse começo de caminhada:

      1) Língua Portuguesa: cai na primeira e na segunda fase. Além disso, você precisa escrever muito bem para ter o rendimento necessário para a aprovação na terceira fase do concurso também.

      2) História do Brasil: a matéria é gigantesca, quanto antes você começar, melhor!

      3) Política Internacional: outra matéria bastante extensa e que demanda muitos meses de estudo para que o candidato tenha uma noção razoável sobre os assuntos do edital;

      4) Língua Inglesa: principalmente para a terceira fase (dissertação). A maioria dos aprovados no CACD tem um nível de inglês equivalente àquilo que se espera de um estudante universitário de um país de língua inglesa.

      Se você quiser ler as redações de pessoas que já foram aprovadas, visite esse link aqui: O que faz um diplomata

      Caso não o tenha feito ainda, inscreva-se na Plataforma de Estudo de Atualidades aqui do site para continuar a receber mais dicas sobre a prova: INSCREVER-SE

      Bons estudos e boa jornada até a aprovação!

      Responder
      • Jorge
        Jorge says:

        Muito obrigado pela resposta!

        Outra dúvida:
        Começar a ler a bibliografia indicada dessas matérias antes de contratar aulas; ou partir direto para as aulas para em seguida iniciar as leituras?

        Responder
        • admin
          admin says:

          Oi, Jorge!

          As aulas ajudam porque os professores direcionam as leituras dos alunos, mas isso não é algo essencial.

          O que eu costumo dizer é o seguinte: se você tem condições de arcar com o custo das aulas, vá em frente. É mais fácil aprender com a ajuda de um profissional. Mas se as aulas estiverem excessivamente caras, não precisa se desesperar. Apesar de ser um pouco mais complicado seguir as leituras sozinho, é perfeitamente possível.

          Boa sorte nos estudos!

          Responder
  3. Leila Vieira Mussarra
    Leila Vieira Mussarra says:

    Olá!
    Estou muito interessada em me aventurar nessa busca! Sei que será extremamente difícil, por muitas razões. Tenho pouco tempo para estudar e dinheiro, menos ainda!
    Eu adoro escrever mas não sou tão boa assim!
    Não domino inglês e não conheço nada de francês. Espanhol só sei algumas palavras. Não sou de família rica e só estudei em escola pública.
    Também tem a questão da idade, não sou muito nova. Mas apesar de tudo isso numa coisa sempre tive sorte: concurso público. E desde o início sempre consegui responder exatamente aquilo que a banca queria, tanto que uma vez passei em primeiro lugar num concurso em minha área exatamente por causa disso!
    Gostei muito da matéria, me deu uma luz. E vou investir nos estudos seguindo os seus conselhos. Durante muito tempo eu desacreditei deste sonho pois achava ser coisa de rico. Agora irei tentar, grata pelas informações!

    Responder
    • admin
      admin says:

      Leila,

      É ótimo ver sua participação aqui no site!

      Esse concurso é absurdamente difícil, mas é perfeitamente possível. Você já tem a atitude correta. Otimismo é uma das características comuns a todos os aprovados.

      Em relação aos idiomas, recomendo fortemente que você invista no inglês. Há muitíssimas pessoas que conseguiram a aprovação mesmo sem saber francês e espanhol particularmente bem, mas o inglês faz uma diferença monumental. Comece a estudar esse idioma o quanto antes.

      Você está certíssima quando diz que esse sonho não é “coisa de rico”. É coisa de gente estudiosa!

      Desejo que você tenha bastante sucesso na sua caminhada rumo ao Itamaraty. Em breve o site estará no ar e você poderá utilizar as ferramentas para estudar de maneira ainda mais eficiente.

      Bons estudos!

      Responder
  4. Marilia
    Marilia says:

    Olá!

    Muito obrigada pelo post, foi muito esclarecedor.

    Como tu indicas no post, o ideal é focar no professor e não nos cursos em si. No entanto, fica mais difícil para organizar a agenda de estudo. Qual maneira seria mais eficiente para estudar? Começo as aulas com todos os professores ou estudo 6 meses umas e o resto depois? Tens como passar dicas de como montar o calendário de estudo?

    Outras coisa, vi que deste uma lista bibliográfica para matérias como História do Brasil e Mundial, Política Internacional e para Direito Interno que pode ser uma apostila dos cursos. Porém, quais livros devo ler para as matérias de Geografia, Economia e Direito Internacional?

    Muito obrigada.

    Responder
    • admin
      admin says:

      Oi Marilia!

      Recomendo que você não faça todas as matérias de uma vez. É inviável seguir o cronograma de leituras de todas as matérias ao mesmo tempo.

      Caso você nunca tenha estudado para o CACD, o ideal é repartir as disciplinas em três partes. Por exemplo: você pode estudar História do Brasil, História Mundial e Política Internacional primeiro. Quando tiver terminado essas matérias, pode começar os estudos de Economia, Geografia e Inglês.

      São tantos livros, tantas páginas e tantas horas de aula que, se você decidir estudar tudo ao mesmo tempo, terá de ler uns 12 capítulos de livro por dia. Simplesmente não vale a pena.

      Já coloquei as bibliografias das demais matérias no ar. dê uma olhada aqui: Bibliografia de Geografia, Bibliografia de Economia, Bibliografia de Direito Internacional.

      Bons estudos! Espero verdadeiramente que você seja aprovada em breve =)

      Responder
      • Marilia
        Marilia says:

        Muito obrigada pela resposta e ajuda.

        Se não for pedir muito, tenho mais uma pergunta. Eu fui atrás dos professores que indicaste, mas encontrei alguns obstáculos com os de português. O Ladeira só dá aula presencial e o Max e Adriana só por skype (o skype está bloqueado no país onde moro). Tens mais alguém para indicar que dê aulas de gramática e redação online?

        Muito obrigada.

        Responder
        • Bruno
          Bruno says:

          Marilia,

          fique tranquila, vamos resolver isso agora.

          Em relação às aulas de português para a Primeira Fase do concurso (fase objetiva), você ainda tem muitas opções de professores. A prova é bem parecida com aquelas dos demais concursos organizados pelo Cespe (Cebraspe), as únicas diferenças marcantes são a extensão dos textos e o nível do vocabulário exigido. Para a sua sorte, é possível que você vença esses obstáculos sem a ajuda de um professor especializado no CACD. Basta que você resolva, múltiplas vezes, as provas anteriores e comece a se habituar com o estilo dos escritores mais mencionados pela banca, como Machado de Assis.

          Como identificar quais são os melhores textos para ler?

          Baixe as PROVAS ANTERIORES DO CACD , e olhe o rodapé de cada um dos textos utilizados pela banca. Os textos são retirados de obras que são amplamente difundidas no Brasil, você consegue encontrá-las em qualquer sebo ou até mesmo em formato PDF na internet.

          Caso você tenha facilidade em língua portuguesa, é possível que um bom livro de exercícios acompanhado de bastante leitura seja o suficiente para que você atinja uma ótima nota. Dê uma olhada aqui na BIBLIOGRAFIA DE LÍNGUA PORTUGUESA.

          Se você acha que realmente precisa da ajuda de um professor, as aulas da Claudia Simionato, do Curso Sapientia, podem ajudar. Não acredito que seja algo essencial, mas pode ser útil para alguém que vive no exterior, como você. Recomendaria esse curso principalmente porque a qualidade das gravações é muito superior àquela dos demais cursinhos.

          Sobre a parte de redação em português para a Segunda Fase:

          O Max e a Adriana são, de longe, os melhores professores. Essa recomendação é incontornável. A diferença deles para os demais é gigantesca e simplesmente não pode ser ignorada. Estudar com eles afeta diretamente a nota do candidato. Eles são muito mais rígidos que os outros professores e corrigem os exercícios dos alunos com um cuidado incomparável.

          O que eu faria se fosse você?

          Tentaria estabelecer um acordo com os professores. Talvez você não possa assistir às aulas por Skype, mas você pode perfeitamente receber o material escrito por e-mail e enviar suas redação para eles da mesma maneira.

          O real valor do curso que eles oferecem não reside, necessariamente, nas aulas teóricas (elas são até curtas), mas na correção dos exercícios.

          Se eu tivesse que escolher entre um curso completo com outros professores e apenas as correções do Max e da Adriana, não pensaria duas vezes, escolheria as correções.

          Caso você tenha outras perguntas, estou aqui para respondê-las.

          Bons estudos e corra porque o dia da prova está chegando!

          Bruno

          Responder
  5. Carlos
    Carlos says:

    Boa noite , primeiramente parabéns pelo blog. Você recomenda o uso de fichamento na preparação para o concurso? Abraços

    Responder
    • Bruno
      Bruno says:

      Olá, Carlos!

      Há alguns aprovados que defendem a utilização de fichamentos, mas a maioria dos novos diplomatas não estudou dessa maneira.

      Fichamentos bem feitos demoram dias para ser finalizados e mesmo assim, obviamente, jamais serão tão completos quanto as obras originais. Você nunca saberá se deixou alguma informação crucial para trás. Quando não conhecemos determinado livro profundamente, somos incapazes de determinar quais parágrafos são verdadeiramente relevantes. Confiar em fichamentos é assumir o risco de estudar a matéria por meio de um material incompleto.

      Recomendo que você utilize marca texto e lápis para identificar as informações mais importantes de cada um dos livros que precisa ler. Assim, a cada nova leitura da obra, você reforçará aquilo que já absorveu e conseguirá identificar facilmente as áreas do texto que ainda não explorou detalhadamente (porque não estarão marcadas).

      Não custa mencionar que as canetas da Stabilo Boss são as melhores. São caras, mas duram muito mais que essas genéricas que encontramos nas papelarias.

      Bons estudos e sucesso!

      Bruno

      Responder
  6. Carlos
    Carlos says:

    Boa tarde, primeiramente parabéns pelo blog! Você recomenda o uso de fichamento nos estudos para o concurso?
    Abraços

    Responder
  7. Victor Reis
    Victor Reis says:

    Olá o que você acha do curso Gran Concursos? Você pode dar dicas sobre as provas da segunda e terceira fases?

    Responder
    • Bruno
      Bruno says:

      Olá, Victor!

      Acabei de responder a mesma pergunta, vou colar a resposta aqui:

      Não recomendo nenhuma apostila do Gran Cursos. Caso você decida seguir o caminho das apostilas, dê preferência ao Estratégia Concursos, o material deles é simplesmente superior.

      Ainda assim, nem todas as apostilas do Estratégia Concursos são uma boa ideia. As melhores são as de:

      1- Direito Constitucional;
      2- Direito Internacional;
      3- Economia;
      4- Língua Portuguesa (jamais as de redação!).

      Evite ao máximo comprar apostilas de História do Brasil, História Mundial e Política Internacional. Quanto mais específica para o CACD é a disciplina, menos recomendáveis são essas apostilas de cursinhos.

      Assim que as dicas de Segunda e Terceira fases estiverem online, envio um e-mail te avisando.

      Caso tenha mais perguntas, pode enviá-las e eu responderei o mais rápido possível.

      Sucesso no CACD,

      Bruno

      Responder
  8. André Martins
    André Martins says:

    Você tem alguma informação sobre o curso do Vocação Diplomata? O curso se dá na plataforma ead da Kwigoo, mas não tenho referência sobre o curso em si.

    Responder
    • Bruno
      Bruno says:

      Oi, André!

      Não conheço a plataforma do Vocação Diplomata, portanto não posso recomendar o curso por inteiro. Entretanto, a melhor professora de Direito Internacional Público leciona justamente ali. O nome dela é Laura Delamonica.

      Independente da plataforma, recomendo enfaticamente as aulas da professora Laura. Eu as assistiria mesmo que fossem disponibilizadas em uma instituição menos conhecida como o Vocação Diplomata.

      Muito sucesso nos estudos,

      Bruno

      Responder
  9. Mariana Pires
    Mariana Pires says:

    Olá, gostaria de saber se você chegou a contratar o grancursos, pois vi algum site o indicando, porem após ler seu blog fiquei receosa haha.
    Obrigada.
    Mariana Pires.

    Responder
    • Bruno
      Bruno says:

      Oi, Mariana!

      Não recomendo nenhuma apostila do Gran Cursos. Caso você decida seguir o caminho das apostilas, dê preferência ao Estratégia Concursos, o material deles é simplesmente superior.

      Ainda assim, nem todas as apostilas do Estratégia Concursos são uma boa ideia. As melhores são as de:

      1- Direito Constitucional;
      2- Direito Internacional;
      3- Economia;
      4- Língua Portuguesa (jamais as de redação!).

      Evite ao máximo comprar apostilas de História do Brasil, História Mundial e Política Internacional. Quanto mais específica para o CACD é a disciplina, menos recomendáveis são essas apostilas de cursinhos.

      Caso tenha mais perguntas, pode enviá-las e eu responderei o mais rápido possível.

      Sucesso no CACD,

      Bruno

      Responder
  10. Joice
    Joice says:

    Você recomenda o curso do gran cursos?
    Não me refiro às apostilas, mas ao curso inteiro. Sei que já respondeu sobre as apostilas. Me pareceu um preço bem razoável e tem diplomatas que lecionam lá.

    Responder
    • Bruno
      Bruno says:

      Olá, Joice!

      Os melhores professores do mercado foram mencionados nesse post. Isso não quer dizer que os demais profissionais sejam necessariamente ruins.

      Lembre-se: o CACD é o processo seletivo mais concorrido do país. Você prefere ter a garantia de que está estudando com os melhores ou vai querer arriscar o desconhecido?

      O risco aqui é bem claro: perder tempo (seu bem mais precioso) e dinheiro.

      Vou ser o mais direto possível: só vale a pena estudar com outros professores quando esses da lista não estiverem disponíveis.

      O objetivo desse post é justamente esse: mostrar para os leitores quais aulas realmente valem a pena.

      Outra observação importantíssima: o fato de determinado professor ser diplomata não guarda qualquer relação com a qualidade das aulas. Os cursinhos adoram contratar diplomatas porque sabem que o título gera mais vendas.

      Quem tem mais tempo para preparar aulas de qualidade? Um diplomata que trabalha 8 horas por dia ou um professor bem qualificado que vive para ensinar?

      Curiosamente, dentre todos os profissionais mencionados nesse post, apenas dois são diplomatas! Os outros são professores que dedicam dias e noites à preparação de candidatos como você para o CACD.

      Coloco minha mão no fogo pelos professores mencionados nessa lista, mas não posso garantir a qualidade dos demais.

      Espero que você tome a decisão correta e que tenha bastante sucesso na prova deste ano,

      Bruno

      Responder
  11. Luiz Eduardo Andrade
    Luiz Eduardo Andrade says:

    Olá, meus parabéns pelo artigo completíssimo!!! Serve muito bom como um Norte para quem está ainda engatinhando na preparação para o CACD.

    Gostaria de saber se acha importante além de cursinho adquirir a coleção Diplomata da Saraiva? Bem como se possível indicar bibliografias das demais matérias.

    Uma vez mais PARABÉNS!!! e muito obrigado!!!

    Responder
    • Bruno
      Bruno says:

      Oi, Luiz Eduardo!

      Fico feliz em poder ajudar. Vou continuar escrevendo aqui no blog. Fique de olho. Em breve haverá informações ainda mais úteis.

      Em relação à sua pergunta: é importante não adquirir a Coleção Diplomata da Saraiva.

      Os únicos livros dessa coleção que eu recomendaria são os de História do Brasil (escritos pelo excelente professor Rodrigo Goyena). Os demais são dispensáveis.

      Certamente não recomendo os volumes sobre História Mundial, eles estão recheados de erros que podem custar sua aprovação.

      Não se preocupe em comprar muitos livros agora no início, basta seguir as recomendações de leitura do blog. Lembre-se: é importantíssimo que você filtre suas leituras. O conteúdo é tão extenso que, caso você decida ler tudo, pode passar anos dentro de uma biblioteca desnecessariamente.

      Vou deixar essa lista aqui para você:

      Bibliografia de Português;
      Bibliografia de História do Brasil;
      Bibliografia de História Mundial;
      Bibliografia de Política Internacional;
      Bibliografia de Direito Interno;
      Bibliografia de Direito Internacional;
      Bibliografia de Geografia;
      Bibliografia de Economia.

      Bons estudos!

      Responder
      • Luiz Eduardo
        Luiz Eduardo says:

        Maravilha Bruno,
        Uma vez mais expresso meus PARABENS pelas orientações generosas e tão objetivas e sinceras que vc dispoe no seu texto!!! Com certeza receberá em dobro toda a energia positiva que emana da gratidão deste que vos fala e com certeza de muitos que ajuda!

        Aproveito pra deixar mais uma pergunta: Voce indica os mais diversos professores masque são de diferentes cursinhos que em sua maioria não comercializam, salvo engano, a matéria lecionada daquele professor de maneira avulsa. Ofertando apenas os chamados COMBOS que abrangem todas as materias do edital e tudo mais. Como faço entao? tem alguma solução?

        Desde já muito agradecido!!!

        Responder
        • Bruno
          Bruno says:

          Luiz Eduardo,

          Claro que há uma solução!

          Os cursinhos preparatórios são empresas. Eles sempre irão tentar empurrar os cursos em conjunto simplesmente porque é mais lucrativo. Apesar disso, todos eles preferem vender um curso específico isolado a não vender nada. Mesmo que esse curso não esteja explicitamente ofertado no site.

          Minha dica para você é a seguinte: entre em contato (pode ser por e-mail mesmo) com o cursinho que desejar e explique que você só tem interesse na disciplina A, B ou C. Eles certamente vão dar um jeito de acomodar seu pedido.

          O IDEG é o mais flexível e razoável do mercado. Assista a algumas aulas demonstrativas online e não tenha vergonha de pedir desconto. Lembre-se, para os cursos preparatórios, uma venda parcial é muito melhor que nenhuma venda.

          Boa sorte e bons estudos

          Responder
          • Luiz Eduardo Andrade
            Luiz Eduardo Andrade says:

            Maravilha Bruno!!! já entrei em contato com IDEG, que inclusive só comercializa de forma avulsa suas matérias então ficou perfeito pra mim.
            Qual sua opniao acerca desses Guias de Estudo e Cadernos do Candidato que podemos encontrar no blog O Barão? Necessários?

            Nunca é demais agradecer pelo excelente serviço de ajuda generosa que você tem prestado e pelo nível de camaradagem que vc transmite!! como alguem que quer o bem mesmo!! Parabens de novo!!!

    • Bruno
      Bruno says:

      Oi, Bia!

      Conheço o trabalho de todos os professores. O melhor deles é, sem dúvidas, o Thomaz Napoleão. Ele leciona no IDEG. Embora o curso não seja barato, esse é o melhor investimento possível quando o assunto é Política Internacional.

      Em relação ao Sapientia, só investiria no curso de resolução de questões com o professor Leonardo Rocha Bento. As aulas não são as mais divertidas, mas ele conhece o assunto profundamente.

      Política Internacional é uma disciplina particularmente insidiosa, é bastante comum observar professores cometendo erros nas aulas. Por esse motivo recomendo que você faça o máximo para contratar os melhores.

      Se quiser um curso regular (teórico): Thomaz Napoleão.

      Para curso de exercícios: Leonardo Rocha Bento.

      Bons estudos e boa jornada!

      Responder
  12. Paula Mendes
    Paula Mendes says:

    Olá Bruno boa noite,
    Aconteceu comigo o mesmo que outra pessoa relatou em comentário anterior: Ao procurar o curso da prof.a. Sara Walker, obtive a informação de que as vagas para o curso na modalidade a distância estão encerradas, pelo menos por hora. Haveria, por acaso, uma outra opção razoável? Inglês nesse momento é minha prioridade máxima. Pretendo prestar o primeiro TPS em 2019. Desde já grata.

    Responder
    • Bruno
      Bruno says:

      Oi, Paula!

      Primeiro detalhe importante: há uma diferença substancial entre a prova objetiva (Primeira Fase) e a prova escrita (Terceira Fase). A prova objetiva é muito mais fácil.

      É possível estudar para a Primeira Fase em cursos como Ideg ou Sapientia. Basta que você entre em contato com os dois e peça para assistir a uma aula teste de inglês. Depois de ter contato com os professores dos dois cursos, será bem mais fácil escolher com quem você prefere estudar.

      É na preparação para a Terceira Fase que as aulas da professora Walker fazem toda a diferença. Eu preciso ser bem enfático: não há curso melhor que esse. Não gaste seu tempo ou dinheiro para estudar inglês(redação) em outro lugar.

      O que você deve fazer:

      Antes de qualquer coisa, entre na fila do curso de redação da professora Walker. Mande um e-mail perguntando quando o próximo curso irá começar e diga que você quer garantir sua vaga.

      A professora aplica um teste de nivelamento (pela internet) antes de aceitar novos alunos. Peça para fazer o teste agora mesmo. Não espere o período de abertura de matrículas ou você vai correr o risco de ficar fora da próxima turma.

      Uma vez que você tenha garantido sua vaga no curso de redação, comece a estudar para a Primeira Fase no Ideg ou no Sapientia. Assim você não vai precisar esperar ociosamente o curso da professora Sara Walker começar.

      De qualquer maneira, essa semana algumas ferramentas do Atualidades Concursos vão estar online. Eu vou disponibilizar uma série de textos em inglês. Já vai ser possível iniciar seus estudos por aqui mesmo. Fique de olho no site.

      Caso você tenha mais perguntas, estou aqui para respondê-las.

      Bons estudos e sucesso nesse início de caminhada!

      Responder
      • Paula
        Paula says:

        Muito obrigada, esse post é muito valioso. Vou considerá-lo como “marco zero” em relação à aquisição de cursos. Fico no aguardo das novas ferramentas do site.

        Responder
        • Bruno
          Bruno says:

          Paula,

          é ótimo saber que o post tem sido útil. Daqui a alguns dias te envio um e-mail avisando do lançamento do site.

          bons estudos!

          Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *